Skip Ribbon Commands Skip to main content
Share This

E o ovo como alimento mais seguro e saudável





A proteção das aves contra salmonelose pode ser observada através da redução da transmissão transovariana e da excreção fecal do patógeno para o ovo.

"O objetivo da vacinação das aves contra salmonela é tanto a prevenção da infecção como a redução da colonização do patógeno no intestino. A vacinação diminui a excreção fecal, a contaminação da casca dos ovos e a colonização dos órgãos reprodutores." Publicação The EFSA Journal (2004) 114, 1-74 da Agência Europeia de Segurança Alimentar.

% DE OVÁRIOS COM RESULTADO POSITIVO PARA SALMONELLA ENTERITIDIS.


Porcentagem de Ovários 

Resultados do isolamento de S. Enteritidis PT4 nos ovários das aves 4 dias após desafio oral.


A Salmonella Enteritidis é um dos raros sorovares capazes de infectar sistematicamente os ovos. O ovo se contamina através dos ovários e dos ovidutos antes da sedimentação da casca por meio da transmissão vertical para o conteúdo interno (gema ou albumina).

A Gallimune® Se+St reduz a infecção dos ovários e, portanto, o risco de transmissão vertical da S. Enteritidis para o ovo.

Trabalho 2 -Estudo comparativo com grupos de 60 aves vacinadas às 10 e 16 semanas de idade com uma dose (0,3 ml) de Gallimune® Se+St ou às 12 e 16 semanas de idade com uma dose (0,5 ml) de vacina referência (de acordo com as recomendações do fabricante), e um terceiro grupo como controle de aves não vacinadas.

A vacinação foi seguida de desafio oral às 27 semanas de idade com uma cultura fresca de S. Enteritidis PT 4, mimetizando uma infecção natural.

Os ovários foram coletados 4 dias pós-desafio. Foi possível reisolar a S. Enteritidis (SE) nos ovários de apenas 7% das aves vacinadas com a Gallimune® Se+St, enquanto esse percentual foi de 20% nas aves imunizadas com a vacina referência e 73% no grupo controle de aves não vacinadas.

A eficiência da Gallimune® Se+St na redução da infecção dos ovários foi igualmente observada no final do ciclo de produção.


A Gallimune® se+st confere proteção contra a colonização do intestino e a excreção fecal tanto da S. Enteritidis como da S. Typhimurium.

Uma das principais vias de transmissão da S. Enteritidis e da S. Typhimurium são fezes contaminadas.

EXCREÇÃO FECAL DA SALMONELLA ENTERITIDIS NO DIA 4 E NO DIA 11 PÓS-DESAFIO.



Excreção fecal da Salmonela Enteritidis

Resultados do isolamento de S. Enteritidis PT4 nos ovários das aves 4 e 11 dias após o desafio oral.


Trabalho 3-Grupos com 60 frangos de postura comercial foram vacinados às 10 e 16 semanas de idade com uma dose (0,3 ml) de Gallimune® Se+St ou às 12 e 16 semanas de idade com uma dose (0,5 ml) de vacina referência (de acordo com as recomendações do fabricante), e um terceiro grupo como controle de aves não vacinadas.
As aves foram desafiadas via oral às 29 semanas com culturas frescas de S. Enteritidis e às 31 semanas com culturas frescas de S. Typhimurium, mimetizando uma infecção natural. Foram coletadas amostras da descarga cecal 4 e 11 dias pós-desafio.
No dia 4, as contagens de bactérias (log10) por grama de fezes no caso da SE e da ST foram, respectivamente, 3,76 e 2,69 no grupo da Gallimune® Se+St, 4,31 e 4,02 no grupo da vacina referência e 5,54 e 5,27 no grupo das aves de controle não vacinadas.
No dia 11, foram 1,37 e 1,65 no grupo da Gallimune® Se+St, 2,44 e 1,41 no grupo da vacina de referência e 3,42 e 1,74 no grupo de controle de aves não vacinadas.
A redução da taxa de excreção fecal foi observada em diversos estágios do período de postura nas aves vacinadas com Gallimune® Se+St.

Gallimune® se+st reduz significativamente a excreção fecal da S. ENTERITIDIS e da S. TYPHIMURIUM e, portanto, o risco de contaminação da casca dos ovos.


Referência Bibliográfica

Barrow P.A., 2000, The paratyphoid salmonellae, Rev. sci. tech. Off. int. Epiz., 19, 351-375.

Commission Regulation (EC) No 1168/2006 of 31 July 2006 implementing Regulation (EC) No 2160/2003 as regards a Community target for the reduction of the prevalence of certain salmonella serotypes in laying hens of Gallus gallus and amending Regulation (EC) No 1003/2005.

Commission Regulation (EC) No 1177/2006 of 1 August 2006 implementing Regulation (EC) No 2160/2003 of the European Parliament and of the Council as regards requirements for the use of specifi c control methods in the framework of the national programmes for the control of salmonella in poultry.

EFSA Working group, The EFSA Journal (2006) 81, 1-71.

Galleau S et Al., 2007, 15th World veterinary Poultry Congress, September 12-15th, Beijing, China, p313.

Gast R.K., Stone H.D. & Holt P.S., 1993, Evaluation of the effi cacy of oil-emulsion bacterins for reducing fecal shedding of Salmonella enteritidis by laying hens, Avian. Dis., 37, 1085-1091.

Haeghebaert S, 2001, Bull. Epid. Hebdo. (15), 65-70.

Hassan JO and Curtiss R, 1994, Infection and immunity. 62 (12), 5519-5527 OIE, Salmonellosis – Manual of Diagnostic Tests and Vaccines for Terrestrial Animals, http://www.oie.int/eng/norms/mmanual/A_00129. htm.

Wilkinson L., SYSTAT: The system for statistics, Evanston, IL, United Sates, SYSTAT, Inc., version 9.0 for Windows.

​​​​​​​​
 

©2017